Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A sorte numa raspadinha

por Catarina d´Oliveira, em 28.04.14

Escreveu Ralph Waldo Emerson que "os Homens superficiais acreditam na sorte ou na circunstância; os Homens fortes acreditam na causa e efeito".

 

É verdade também que a sensação que dá às vezes é que temos o universo contra nós, e noutras ocasiões - mais raras talvez - que tudo nos corre de feição. Pouco percebo das questões de energias - positivas, negativas - mas talvez seja certo que cada uma atrai mais coisas das suas semelhantes, portanto em caso de dúvida, mais vale apostar no positivismo, mesmo quando parecem só chover sapos.

 

Mas voltando à questão da sorte - acredito pouco nela. Penso, como o senhor Emerson, que tudo parte - de alguma forma - das coisas que fazemos, ainda que haja - como temos de aceitar - coisas inexplicáveis a acontecer todos os dias. Aceitá-lo é difícil, especialmente quando a falta do "porquê" nos afinca os dentes a nós. Mas aceitá-lo é importante.

 

E quando falamos de sorte, podemos falar desde a coisa mais complexa - cruzarmo-nos na rua ou não com aquele que poderia ser o amor da nossa vida - ou a coisa mais simples e ligada à lei probabilística - ganhar a lotaria.

 

 

 

Causa - efeito.

 

Para ganhar a lotaria, precisas de comprar o bilhete, ou a raspadinha. O resto já não depende de ti, mas de uma complexa rede de possibilidades que estão fora do teu alcance. A única coisa que podes fazer é... raspar.

 

Um dia destes resolvi comprar duas raspadinhas para deixar por aí, para apostar com o destino que o meu investimento podia trazer algo a alguém - mesmo que não fosse o prémio, a possibilidade dele, a adrenalina dele, e a certeza de que - ganhando ou não - alguém acabaria a sorrir naquela história.

 

Acabei por oferecer uma a um bom amigo, o A. - daquelas pessoas que precisas na tua vida, porque até são brutas quando têm de ser, só porque veem ser essa a melhor forma de te ajudar, mesmo que umas vezes resulte, outras não, porque continuas a teimar na tua caturrice. A outra deixei-a por aí, a alguém que a queira raspar.

 

 

Pode ser que, para vocês, a sorte exista e sorria. E só posso esperar que assim seja.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D