Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As botas, as motas e o Humberto

por Catarina d´Oliveira, em 23.04.14

Hoje saí à rua com a ideia de comprar umas botas, daquelas confortáveis, que os personagens dos filmes de aventura selvagem têm sempre calçadas, talvez na esperança de eu também ter direito à minha aventura exótica...

 

Com este e outros pensamentos, fui até à Baixa em busca das minhas botas, depois de levantar 40 euros que jurei não ultrapassar para tal intento. Eventualmente, passei pelo Humberto.

 

O Humberto é um rapaz pouco mais velho do que eu, com desejo de aventuras como eu, e com sonhos como eu. Mas quando passei pelo Humberto, vi o que um infeliz acidente de mota lhe fez, já bem depois de ter ficado sem família algures na adolescência. Ele segurava, com um olhar meio perdido e meio esperançoso, um pedaço de cartão onde se lia que a sua jornada para conseguir juntar dinheiro para a prótese que lhe permitirá voltar a ter os dois pés no chão estava apenas à distância de 300 euros (no início, estava a 7000!).

 

 

Meia sem jeito aproximei-me com três euros e meti conversa com ele. Perguntei se havia algo que pudesse fazer para ajudar a juntar o resto do dinheiro, e com um sorriso triste disse-me que não. "Já tentei tudo... já fiz campanhas na internet, já pus anúncios no jornal, já contactei televisões... mas é muito difícil. Há pessoas com muito dinheiro, eu vejo isso aqui todos os dias, mas não confiam em nós, o que até se percebe, porque há por aqui muita gente que engana e que rouba...".

 

Fiquei a pensar naquilo. Somos, ou estamos, desconfiados. É essa a parede derradeira que nos separa, muitas vezes, de gestos de bondade.

 

"Mas vou estando por aqui. Já estive muito mais longe, e tenho conseguido juntar algum dinheiro. O importante para mim é viver um dia de cada vez". Interrompi-o. Baixei-me, e disse-lhe: "Humberto, decidi que vou confiar em ti. Não posso dar-te tudo, mas posso dar-te o que tenho comigo, e posso prometer-te que, se continuares por aqui, vou tentar voltar com melhores notícias". Passei-lhe as notas amarrotadas.

 

O sorriso, que já não era magoado, abriu-se num agradecimento sincero.

 

Agora o Humberto está a 257 euros da sua prótese. E eu não comprei as botas - afinal, não precisava delas para nada.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Pedrosa a 24.04.2014 às 21:21

O Humberto precisa de ajuda.
Como posso fazê-lo?
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 25.04.2014 às 13:04

Olá Maria,

fico muito contente de se sentir mobilizada a ajudar o Humberto ou outras pessoas que precisem. Neste caso particular, não fiquei com contacto dele, mas ele assegurou-me que estava sempre pela Baixa, pela Rua Augusta. Nos próximos dias conto lá voltar e dou novidades!

Muito obrigada
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 26.04.2014 às 01:32

QUERO AJUDAR!!!
Podem sff dize-rme onde encontrar o Humberto??

SFF alguem me envie um mail :D

Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 26.04.2014 às 16:12

Olá Ricardo!

Olha como disse não fiquei com nenhum contacto do Humberto, mas perguntei-lhe na altura e ele disse-me que estava sempre por aquele sítio, todos os dias - Rua Augusta, Baixa de Lisboa.

Se passarmos por lá, ele deve lá estar :D
Sem imagem de perfil

De Ana T a 28.04.2014 às 21:25

Olá,
O Humberto no passado sábado estava na rua Augusta junto à pastelaria Brasileira.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D