Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As botas, as motas e o Humberto

por Catarina d´Oliveira, em 23.04.14

Hoje saí à rua com a ideia de comprar umas botas, daquelas confortáveis, que os personagens dos filmes de aventura selvagem têm sempre calçadas, talvez na esperança de eu também ter direito à minha aventura exótica...

 

Com este e outros pensamentos, fui até à Baixa em busca das minhas botas, depois de levantar 40 euros que jurei não ultrapassar para tal intento. Eventualmente, passei pelo Humberto.

 

O Humberto é um rapaz pouco mais velho do que eu, com desejo de aventuras como eu, e com sonhos como eu. Mas quando passei pelo Humberto, vi o que um infeliz acidente de mota lhe fez, já bem depois de ter ficado sem família algures na adolescência. Ele segurava, com um olhar meio perdido e meio esperançoso, um pedaço de cartão onde se lia que a sua jornada para conseguir juntar dinheiro para a prótese que lhe permitirá voltar a ter os dois pés no chão estava apenas à distância de 300 euros (no início, estava a 7000!).

 

 

Meia sem jeito aproximei-me com três euros e meti conversa com ele. Perguntei se havia algo que pudesse fazer para ajudar a juntar o resto do dinheiro, e com um sorriso triste disse-me que não. "Já tentei tudo... já fiz campanhas na internet, já pus anúncios no jornal, já contactei televisões... mas é muito difícil. Há pessoas com muito dinheiro, eu vejo isso aqui todos os dias, mas não confiam em nós, o que até se percebe, porque há por aqui muita gente que engana e que rouba...".

 

Fiquei a pensar naquilo. Somos, ou estamos, desconfiados. É essa a parede derradeira que nos separa, muitas vezes, de gestos de bondade.

 

"Mas vou estando por aqui. Já estive muito mais longe, e tenho conseguido juntar algum dinheiro. O importante para mim é viver um dia de cada vez". Interrompi-o. Baixei-me, e disse-lhe: "Humberto, decidi que vou confiar em ti. Não posso dar-te tudo, mas posso dar-te o que tenho comigo, e posso prometer-te que, se continuares por aqui, vou tentar voltar com melhores notícias". Passei-lhe as notas amarrotadas.

 

O sorriso, que já não era magoado, abriu-se num agradecimento sincero.

 

Agora o Humberto está a 257 euros da sua prótese. E eu não comprei as botas - afinal, não precisava delas para nada.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Pedrosa a 24.04.2014 às 21:21

O Humberto precisa de ajuda.
Como posso fazê-lo?
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 25.04.2014 às 13:04

Olá Maria,

fico muito contente de se sentir mobilizada a ajudar o Humberto ou outras pessoas que precisem. Neste caso particular, não fiquei com contacto dele, mas ele assegurou-me que estava sempre pela Baixa, pela Rua Augusta. Nos próximos dias conto lá voltar e dou novidades!

Muito obrigada

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

subscrever feeds